Menu fechado

Os Jogos Olímpicos jogaram os holofotes do mundo para o Rio, e nossas cervejas foram alvo de grande atenção – muito além dos R$ 13 despejados em 473ml de Skol e no copão amarelo que virou souvenir nas arenas. O Bar do Bin Laden saiu no New York Times e o jornalista Anthony Sharwood, do HuffPost Australia, virou estrela tomando cerveja em botecões bem brasileiros, o que, vale reconhecer, é demais. Mas também rolou uma atenção para as cervejas artesanais.

LEIA MAIS: Roteiro pelos bares com pelo menos 10 opções de chope no Rio

Bom… quase isso. Embora o setor esteja bombando aqui no Rio, o The News & Observer (“Olympic list: Top 5 Brazilian beers”) escreveu que ainda não existe uma cena artesanal no Brasil e que são cervejas difíceis de encontrar. (Dá para notar que não estão lendo o SAIDEIRA). Por lá, o Top 5 de cervejas brasileiras ficou com Antartica (ouro), Brahma (prata), Eisenbahn Pale Ale (bronze), Stella Artois (4º) e Skol (5º). Pois é, e foi justamente essa a matéria que mais repercutiu.

Josh Jackson, da Paste Magazine: Esse cara aproveitou bem os Jogos, viu?!

Mas entre os gringos, também teve quem tenha conseguido sacar o que está rolando por aqui. Foi o caso de Josh Jackson, da Paste Magazine, que conversou com muitos cariocas envolvidos neste universo, como a turma da Hocus Pocus, Marcelo Ramos, da Complexo do Alemão, e até o pessoal de Petrópolis, como Rolf d’Ottenfels, da Buda, e Mário Signorini, da Cazzera. Vale a pena dar uma conferida na matéria (“The craft beer guide to Rio de Janeiro”) e no vídeo produzido no Rio.

Com os Jogos rolando, o jornalista Steven Luck, da gigante emissora americana NBCconversou com Sergio Fraga, da cervejaria Fraga, e Leo Gil, sócio da Three Monkeys (“Steven Luke in Rio Craft Beer Scene”, com vídeo abaixo). A americana Thrisllisttambém falou sobre as cervejas artesanais cariocas. A matéria assinada por Mereditgh Heil (“Why you need to care about Brazil’s Craft Beer Scene”) citou a carioca 2cabeças e outras cervejas de fora do Rio, como a Seasons, Colorado, Morada, Way e Baden Baden.

Antes mesmo dos Jogos, a conceituada revista da americana Beer Advocate já havia feito um mapa cervejeiro no Rio – e o roteiro parece ter sido bastante utilizado pelas publicações estrangeiras. Assinada por Roberto Fonseca, referência no jornalismo brasileiro dedicado à cerveja, a matéria (“Where to Drink in Rio de Janeiro, Brazil”) foi publicada na edição de julho. As cervejarias Hocus Pocus, Oceânica, Motim, 3Cariocas e Three Monkeys foram algumas das citadas pela publicação.

BeerAdvocate fez roteiro para beber as artesanais do Rio

E não foram só os jornalistas que conheceram as cervejas brasileiras. Bar recém-inaugurado na Praça da Bandeira, o HopLab virou point pós-jogo da seleção masculina de vôlei dos Estados Unidos. Eles foram por lá mais de uma vez e o capitão do time, David Lee, foi tietado pela sommelière da casa, Fernanda de Freitas, e o sócio Pedro Victor Freitas (se liga na foto). Pelo visto, deu sorte. Os caras ficaram com o bronze após vencer a Rússia em jogo emocionante. (Ok, nem tanta sorte, eles eram candidatos ao ouro.)

 

Fonte: Cervejarias cariocas tiram casquinha dos Jogos do Rio e aparecem para o mundo | Saideira – O Globo

WhatsApp chat